Guidelines

Parte 1 – DA APRESENTAÇÃO DO TEXTO

A) O Título: Arial 14

Deve reproduzir o título original da pesquisa/investigação, incluindo o subtítulo.

 

B) Autoria: Arial 12

  1. Deve informar o nome completo do(a) autor(a), seguido por seu título atual e o local de sua obtenção. (Posto à direita da página)
  2. E-mail para contactos. (Posto à direita da página)
  3. O tipo de investigação/pesquisa feita (IC, MA, PhD…) acompanhado por sua afiliação institucional actual.
  4. Se houver bolsa de investigação científica, informar a sigla da instituição.
  5. Informar o nome completo do orientador e sua afiliação institucional.

Ex.:

Alexandria ad Aegyptum – Relatos de Autores Greco-Romanos sobre o Egipto.

(1) Fulano de Tal da Silva, (B.A. em História, Universidade Brasileira).

(2) blablabla@blabla.com

(3) Pesquisa/investigação de Mestrado em Letras Clássicas pela Universidade Lusitana.

(4) Bolsista /Bolseiro de Mestrado FAPERJ / FCT / PIBIC etc.

(5) Orientador: Prof. Dr. Beltrano da Costa, Departamento de Letras Clássicas, Universidade Lusitana.

 

C) Resumo: Arial 12 – itálico

Deve sintetizar o objeto de estudo e problemática em até 40 palavras.

Ex.: Estudo de discursos de identidade a partir da criação ideológica de estereótipos egípcios por autores greco-romanos.

 

D) Palavras-chave: Arial 12

Até três palavras-chave.

Ex.:  Alexandria, Autores Clássicos, Discursos de Identidade

 

PARTE 2 – DA PREPARAÇÃO DO TEXTO

E) Formato da Página

Margens: papel A4 – 3,0 cm de distância à esquerda e direita / 2,0 cm na borda superior e inferior.

 

F) Fonte:

  • Times New Roman 12 para o corpo do texto.
  • Tmes New Roman 14 para título de secções.
    • As secções não devem ser numeradas!
    • Espaçamento entre linhas de 1,5.

G) Texto Grifado em Negrito, Itálico e/ou Sublinhado

  • Empregar itálico para palavras estrangeiras que não sejam familiares ao português (terminologia, conceitos, etc.).
  • Não empregar texto sublinhado nem grifado em negrito.

 

H) Transliteração e fontes não-latinas

  1. Para textos egípcios, empregar apenas a transliteração em MdC.
  2. Para transcrição de hieróglifos, empregar apenas o programa J-Shesh. Nesse caso, o texto segue integrado com os hieróglifos. Não há a necessidade de documentos em separado.
  3. Para textos em grego, árabe, copta, etc. a fonte deverá ser enviada em conjunto com o artigo.

 

I) Imagens, gráficos, etc.

  1. Fotografias devem seguir acompanhadas de comprovante para a autorização de uso de imagens. A imagem deverá estar em excelente resolução, podendo ser em cores.
  2. Gráficos, fac-símiles e afins deverão vir em separado devidamente identificados.
  3. Legendas de imagens serão feitas em Times New Roman 10, sem espaço / espaço simples.

 

PARTE 3 – DA ESTRUTURA DO ARTIGO

J) Tamanho e Organização do Artigo

O artigo terá entre três e seis páginas, incluindo a secção destinada à bibliografia. A quantidade de subtítulos e secções de cada artigo fica totalmente ao critério do(a) autor(a).

Em linhas bem gerais, o artigo divide-se em três grandes secções temáticas. Essas secções podem receber subdivisões e/ou serem nomeadas de acordo com os critérios pessoais de  cada autor(a):

  1. 1.    A introdução deve trazer os temas tratados no trabalho, delimitação, justificativa, objetivo da pesquisa e procedimentos adotados. A ideia aqui é apresentar – devidamente contextualizados – o objeto e a problemática.
    1. a.    A temática proposta pela publicação engloba temas de Egiptologia, Coptologia, Arqueologia, Arte, Papirologia e quaisquer estudos interdisciplinares ligados ao Egito – desde a sua pré-história aos “dias atuais”* à uma vez que a Recepção da Antigüidade desde o Rensascimento à Idade Contemporânea também são tópicos e interesse.
    2. 2.    O desenvolvimento é o corpo do trabalho, onde deve constar uma exposição ordenada do assunto. A publicação destina-se essencialmente à divulgação de novas pesquisas / investigações. Nessa secção bastará a apresentação de uma breve revisão bibliográfica e a identificação do posicionamento do(a) autor(a) em relação ao que leu.
    3. 3.    A conclusão faz uma recapitulação sintética do assunto e dos resultados da pesquisa, avaliando a contribuição e os méritos de seu trabalho. Caso o trabalho ainda não possua uma conclusão final, pode-se concluir o artigo com propostas de novos rumos para a pesquisa, ou com o levantamento de novos questionamentos.

 

K) Citações Diretas

Citações com menos de três linhas deverão ser integradas no texto e identificadas por aspas inglesas.

Citações com mais de três linhas de extensão deverão ser feitas em Times New Roman 10, sem espaçamento entre linhas. O texto deverá ser destacado ao receber um recuo de 4,0 cm na margem e não receberá aspas.

L) Notas de Rodapé.

Evitar o uso excessivo de notas. O conteúdo deverá estar todo no corpo do texto principal. As notas de rodapé servirão tão-somente para a identificação de autores, citações e fontes citadas (Citação Indireta). O texto das notas de rodapé deverá acompanhar o fluxo do texto. Não haverá uma secção específica para notas.

  1. 1.    O formato da citação seguirá o formato “Chicago Style”:
  • Arial 10, sem espaçamento entre linhas.
  • SOBRENOME – em maiúsculas, utilizando vírgula para introduzir a próxima informação.
  • Data e página separados por dois pontos e entre parênteses.

Ex:

1GURGEL PEREIRA, (2016: 479).

 

  1. 2.    As convenções adotadas para a referências latinas são:

Apud: identifica o texto de um autor que aparece no trabalho de outro. A expressão “apud” (citado por).

Ex.: Caso se esteja a citar a obra de João Silva, que citou Erik Hornung:

2 HORNUNG, 2000 apud SILVA, 2001: 77.

Et al: Referências com mais de três autores devem trazer o sobrenome do primeiro autor, seguido pela expressão “et al.” (e outros). Ex.:

3 PIRES et al., (2017: 177).

Ibidem: Na mesma obra, cita-se o mesmo autor, mas alterna-se o número das páginas: Ex.:

4 VERNUS, (1997: 40)

5 Ibidem, 22

Idem: Do mesmo autor. Ex.:

6 LOPRIENO, (2012: 121).

7 Idem, 1986: 33.

Op. cit: Para uma obra citada anteriormente no artigo. Ex.:

8 VERNUS, op.cit. 99.

Passim: Indicação de que as ideias do autor estão distribuídas por diferentes páginas. Ex.:

9 ALLEN, 2001, passim.

Et. seq.: Significa que a referência citada tem início em uma determinada página, mas segue-se uma discussão que merece ser verificada. Ex.:

10 YOYOTTE, 1978: 23 et.seq.

 

M) Referências Bibliográficas – Times New Roman 12

 Constará como bibliografia do artigo apenas as obras citadas direta ou indiretamente. Elas devem ser listadas no final do trabalho, em ordem alfabética.

 

Livros: contêm o sobrenome do autor em letras maiúsculas, nome do autor, título em itálico, cidade, editora e ano de publicação. Ex.:

HÖLBL, Günther. A History of the Ptolemaic Empire. London: Routledge, 2001.

 

Artigos: contêm o sobrenome do autor em letras maiúsculas, nome do autor, título entre aspas. Em seguida introduz-se a obra principal por “In:” e segue o sobrenome do autor em letras maiúsculas, nome do autor, título em itálico. Se a obra integrar uma coleção, então ela será identificada, bem como a sua numeração. Em seguida vem a cidade, editora e ano de publicação. Após o ano de publicação, identifica-se a página de início e de fim do artigo. Ex.:

DERCHAIN, Phillipe. “La Justice à la porte d’Evergète”. In: KURTH, Dieter (ed.). 3. Ägyptologische Tempeltagung – Systeme und Programme der ägyptischen Tempeldekoration. Ägypten und Altes Testament, 33,1. Wiesbaden: Harrassowitz, 1995. 1-12.

 

  • OBS.: Caso a obra empregue o uso de abreviação de coleções, uma chave com todas as siglas deverá ser introduzida ao final da obra, imediatamente antes do início da secção da bibliografia.

websites: páginas e documentos encontrados na internet devem trazer o link e data de acesso:

CAMARGO, Paulo. “Noé é uma obra reflexiva”. 2014. Disponível em: www.etc.org.  Acesso em: 25/03/2014.

 

PARTE 4 – DA SUBMISSÃO DE ARTIGOS

N) Chamada de Novos Artigos

Artigos para as futuras publicações deverão ser apresentados através do e-mail:

contacto@aegyptologus.com

Chamadas para novos artigos serão divulgadas regularmente a partir de Outubro de cada ano. Os artigos selecionados serão publicados no mês de Maio subsequente a cada chamada.

 

O) Revisores

Colaboradores ad hoc serão convidados para participarem da avaliação de artigos. Seus nomes serão mencionados em cada edição, na apresentação do corpo editorial do respectivo volume.

Os pré-requisitos mínimos para a colaboração como revisor ad hoc são a obtenção de um doutorado em Egiptologia – ou área correlata – e o domínio da língua portuguesa (Br ou PT).

 

P) Critérios para a Seleção de Autores já Aceitos para a Publicação

Não haverá preferência ou distinção entre autores segundo género, religião, nacionalidade, ideologia, nem no tocante às suas instituições de origem.

Assumindo-se que a quantidade total de artigos aceitos para a publicação ultrapasse a meta de dez trabalhos, poderá vir a ser necessário então obedecer a certos critérios seletivos. São eles:

  • Estudantes em processo de Iniciação Científica terão sempre prioridade.
  • Estudantes de Mestrado e Doutoramento virão em seguida em termos de igualdade.
  • Estudantes detentores de bolsas sempre terão prioridade sobre os seus pares que não possuírem bolsa.
  • Pós-doutorandos e docentes poderão vir a ser convidados para colaborações, mas apenas como revisores  ad hoc, ou em situações de colaboração pontual -(entrevistas, participações por convite, etc.).